Inteligência emocional: como desenvolver no ambiente corporativo?


O ambiente corporativo pode mexer com os sentimentos e emoções dos colaboradores de uma empresa em diferentes ocasiões.

A convivência com os colegas de trabalho, o contato com o público, o trabalho sob pressão e outras situações podem fazer com que a raiva, a tristeza, a ansiedade e mais sensações sejam sentidas no dia a dia.

É natural que esses sentimentos surjam em alguns momentos na vida de qualquer pessoa, mas é imprescindível que se tenha controle sobre eles. A inteligência emocional no ambiente corporativo se faz necessária para que a convivência do time seja harmônica e para que os resultados não sejam prejudicados.

Por isso, os gestores precisam aprimorar essa capacidade e fazer com que seus colaboradores comecem a exercitá-la. Para saber mais sobre o assunto, continue a leitura!

O que é inteligência emocional e perfil comportamental?

Inteligência emocional é a capacidade do profissional de compreender e gerenciar as próprias emoções, além de lidar com as situações à sua volta, com o objetivo de atingir resultados e melhorar o ambiente de trabalho e de comunicação. É preciso usar essa habilidade para conseguir desenvolver um trabalho melhor dentro da própria equipe.

O profissional que coloca a inteligência emocional em prática é aquele que se mantém sereno e tem clareza nas emoções na hora de tomar uma decisão, como a demissão de um funcionário, ou de se comportar em determinada situação, como a reclamação de um cliente irritado.

Portanto, ter inteligência emocional é sinônimo de saber gerenciar suas emoções e também os imprevistos e obstáculos.

Como se sabe, as pessoas têm características diferentes. Os perfis comportamentais agrupam essas características, entre pontos fortes e pontos fracos, em quatro grandes grupos. É possível e esperado que as pessoas se encaixem em mais de um grupo, mas, em uma avaliação geral, os perfis são eficientes para identificar personalidades. São eles:

  • o comunicador — esse é um indivíduo otimista, empolgado e carismático. Gosta de trabalhar em equipe, mas pode ter dificuldade para cumprir metas e prazos;
  • o executor — a pessoa com esse perfil gosta de obstáculos e desafios. É corajosa e não desiste do que almeja, mas pode ser autoritária e dominadora;
  • o analista — esse perfil é detalhista, responsável e organizado. É cumpridor de prazos, mas pode não gostar de trabalhar sob pressão e ser muito crítico;
  • o planejador — esse indivíduo é mais constante e estável. Gosta de planejar suas tarefas com antecedência, mas pode ser pessimista e ter dificuldade de improvisar.

Independentemente do perfil, cada pessoa tem suas próprias emoções e sabe a realidade em que vive. Sendo assim, é preciso estimular e desenvolver a inteligência emocional dentro da realidade de cada time e empresa.

Dessa forma, deve-se fazer uma análise do que é importante para a equipe e para a área e iniciar um trabalho de desenvolvimento conjunto.

Como desenvolver a inteligência emocional no ambiente corporativo?

É simples falar que o profissional precisa manter a inteligência emocional, estando sempre calmo no mundo corporativo, mas como é possível fazer isso em um local que tem imprevistos e onde se lida com pessoas diferentes o tempo todo?

A seguir, você vai conferir algumas dicas de como desenvolver a inteligência emocional no ambiente de trabalho.

Conheça suas próprias emoções e controle-as

Em primeiro lugar, é preciso que todos os profissionais se esforcem cada vez mais para conhecer e ter controle das próprias emoções. Sempre que notar que está ficando um pouco nervoso ou que está com algum sentimento mais profundo em evidência, é importante tentar descobrir a origem dessa sensação e desenvolver o autocontrole.

A partir do momento em que se tem o conhecimento da origem da emoção, sabendo o que te deixa um pouco mais nervoso, triste ou desmotivado, você consegue pensar em formas de desenvolver esse autocontrole.

Pode ser que sua maneira de liberar o estresse seja conversando com um colega, fazendo uma pausa para o lanche, entre outras possibilidades. É preciso tentar algumas vezes para descobrir o que funciona para você.

Lide com suas emoções

Deve-se ir além de reconhecer e controlar as emoções — é preciso lidar com elas. Pode ser que elas apareçam com frequência, o que faz com que seja necessário um mergulho mais profundo na origem dessas sensações, entendendo o que isso gera em você, suas reações. Pode ser uma boa ideia buscar apoio psicológico com profissionais.

Lidar com suas emoções reflete diretamente na convivência com os colegas de trabalho e nos seus resultados.

Tenha empatia

Ter o controle dos seus sentimentos gera empatia, porque você passa a entender um pouco o lado do outro, a se colocar no lugar dele. Dessa forma, fica mais fácil compreender as emoções de terceiros, e diminuem as chances de situações de estresse.

Por que a inteligência emocional é importante para cargos de liderança?

A inteligência emocional vai muito além de somente saber lidar com as suas próprias emoções, já que, em um cargo de liderança, estão envolvidas também as emoções dos colaboradores. Sem fazer o uso da empatia, não é possível analisar e entender o que move e atrapalha os funcionários, e a chance de a liderança funcionar a longo prazo é baixa.

Quando falamos de liderança, não nos referimos apenas a números e tarefas técnicas do dia a dia, mas a carreiras e objetivos. Por isso, cada vez mais, as empresas precisam entender como podem oferecer um ambiente no qual seus funcionários, principalmente os que ocupam cargo de gestão, possam desenvolver habilidades técnicas, mas também as interpessoais, como o bom relacionamento e a inteligência emocional.

Como você pôde conferir, desenvolver a inteligência emocional no ambiente empresarial permite que você se sinta mais seguro e confortável para lidar com situações adversas, não tomando atitudes impensadas e imaturas, que podem te prejudicar no trabalho.

As empresas valorizam um profissional que tem essa habilidade, já que ele se destaca em suas atividades diárias, na relação com os colegas e no relacionamento com os clientes. Funcionários com esse perfil passam a ser notados e podem alcançar cargos de liderança.

Quer saber mais detalhes sobre como desenvolver a inteligência emocional no ambiente empresarial? Entre em contato conosco!

Texto Original: Maria Eduarda Silveira (Gerente de Recrutamento na Robert Half)

Mauricio A. de Paula

http://www.treasurybusiness.com.br

e-mail: mauricio@tresurybusiness.com.br



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s