Experiência: o que realmente conta para o empregador?


Certa vez ouvi um jovem argumentar: “estou há sete anos no mercado de trabalho e já passei por cinco empresas diferentes e, com isso, eu acumulei muita experiência em pouco tempo”. Eu só concordo com o discurso se as curtas passagens forem justificadas pelo envolvimento em projetos, com apresentação de resultados que comprovem o benefício da ação para a empresa, os negócios e a carreira do empregado. Caso contrário, tenho minhas dúvidas!

entrevista-1

Analise comigo. Você acha mesmo possível classificar como experiência em plantação um profissional que apenas abriu buracos na terra, jogou sementes e logo partiu para procurar emprego em outra região? Para ter um currículo mais rico e atraente aos olhos do futuro empregador, não seria importante que esse mesmo profissional tivesse na bagagem a experiência de avaliar se o solo é fértil, ver a semente germinar, entender a que tipos de adversidades esse processo está suscetível na região em questão e, então, ter capacidade para mapear ações corretivas e preventivas?

É desse tipo de experiência que as empresas falam e buscam. Se o profissional ficou menos de dois anos em uma empresa, muito provavelmente ele não teve tempo para concluir um ciclo de desenvolvimento. Isso inclui desempenhar as ações que lhe forem propostas de maneira satisfatória, entender a cultura da corporação e o modelo de trabalho de pares e gestores, mapear possibilidades de crescimento dentro da companhia e avaliar a afinidade com a área em questão, entre outros fatores. E, dentro desse cenário, fazer uma autoanálise sobre pontos fortes e de melhoria dentro de suas habilidades técnicas e comportamentais.

emprego

Não estou dizendo aqui que você deva negar uma oferta de trabalho dos sonhos porque está há pouco tempo no atual emprego. Meu alerta é sobre a necessidade de planejamento para que as movimentações na carreira façam sentido para o seu momento pessoal e profissional, evitando insegurança no futuro empregador.

Como eu disse no começo, ao menos que você tenha um histórico de atuações em projetos, o acúmulo de curtos períodos em empregos anteriores tende a classificar seu currículo como frágil. Você não quer que o mercado te veja como um profissional com pouco comprometimento, concorda?

Robert Half – colaborador: Fernando Mantovani

Mauricio A. de Paula

http://www.treasurybusiness.com.br

e-mail: mauricio@tresurybusiness.com.br

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s